Com 16 anos (1991) comprei minha primeira câmera semiprofissional e a partir daí nunca mais parei de fotografar. Fotografava (e ainda fotografo) tudo e todos! A fotografia sempre foi minha paixão. Entre um aprendizado e outro, faculdades e atuação profissional, jamais deixei de registrar cada momento. Afinal, além de cada situação ser única, fotografar sempre foi minha arte!
Fui buscando conhecimento, cursos, aprimoramento, reciclagem (Sim, sou da época das câmeras analógicas - aquelas onde usávamos filme); nunca deixei de me atualizar. Hoje tenho muito orgulho em dizer que sou fotógrafa profissional. Feliz por ter descoberto que, aquilo que eu acreditava que era somente um hobby, tornou-se uma profissão. Sigo refletindo emoções e eternizando-as em imagens.

Faço o que amo. Todos os meus trabalhos são feitos com muita dedicação, paixão e também um "certo dom" porque, como em qualquer ramo artístico, na fotografia não é diferente: além dos equipamentos, há o olhar, a visão do artista que lapida a origem de sua arte. A fotografia é o único instrumento com capacidade de congelar para sempre um instante do tempo e é isto que lhe confere um encanto universal no registro de lembranças e na comunicação de idéias e pensamentos! O prazer de ter nos olhos a leveza para encontrar aquele momento mágico em que os olhos não piscam e os sentimentos se derramam em ações visíveis: esse é o desafio da fotografia... Um desafio que precisa ser superado a cada dia, a cada imagem, a cada novo rosto, a cada nova cidade... Os olhares do artista precisam captar a essência do objeto retratado... Nada pode ser mais apaixonante do que encontrar na singeleza de um registro o sentimento que o gerou e não apenas o congelamento de um momento...


E não é só para provocar o fascínio de olhos alheios e admiradores sensíveis que a fotografia serve. Foi nas idas e vindas do ofício que me escolheu, antes que eu pudesse fazê-lo, que também eu eternizei minhas paixões, fascinios e admirações... Foi pelas lentes do eternizar e pelas sensibilidades da percepção que me visita, que eu vi passar diante de meus olhos e eternizar em minhas lentes, figuras que deixarão para sempre a sua pegada na história. Não só na minha história, nem só na minha arte, como também em sociedades e gerações inteiras... Pelas lentes que simbolizam o meu trabalho, eu vi passar a eterna Cyndi Lauper, o polêmico Lobão, o popular Rick Martin e os memoráveis Paralamas do Sucesso... Se hoje eu vejo o mundo através das lentes e visito com meu trabalho as mídias existentes levando com amor e dedicação um pouco do prazer de ser quem sou e de fazer o que faço, devo muito aos que me cercam , mas devo mais ainda ao empenho com que sempre me propus a trabalhar, a reciclar meus conceitos, a otimizar os processos ... Se tudo que faço reflete uma poesia sem palavras é porque nos momentos em que o sentimento aflora, a sensibilidade do fotógrafo galga a escada da arte para fazer o papel de escritor... Um escritor que distribui no captar de imagens o sentir que as palavras fariam em rima e poesia...

 

Fotografar é uma arte! A minha arte!



Sobre a foto ao lado :  por mim mesma em frente ao espelho usando 30 de velocidade, 2.8 de abertura e 800 de ISO.

Todos os direitos reservados: Nívea Rando (2010)
home | gestantes | crianças | festas | ensaios | produtos | col. objetivo | cosmopolitano | paola da vinci | contato | sobre | admin

A fotografa